LINGUIST List 32.635

Fri Feb 19 2021

Calls: Portuguese; Portuguese Sign Language; Gen Ling/Germany

Editor for this issue: Lauren Perkins <laurenlinguistlist.org>



Date: 19-Feb-2021
From: Malte Rosemeyer <malte.rosemeyergmail.com>
Subject: Tendências de mudança no português atual
E-mail this message to a friend

Full Title: Tendências de mudança no português atual

Date: 15-Sep-2021 - 19-Sep-2021
Location: Leipzig, Germany
Contact Person: Malte Rosemeyer
Meeting Email: < click here to access email >
Web Site: https://www.lusitanistentag2021-leipzig.de/pagina-inicial/secoes/linguistica/

Linguistic Field(s): General Linguistics

Subject Language(s): Portuguese; Portuguese; Portuguese Sign Language

Call Deadline: 06-Apr-2021

Meeting Description:

A seção discute a possibilidade de extrapolar processos de mudança no português atual com dados contemporâneos e com isto, investiga o potencial de uma linguística histórica preditiva. Ao mesmo tempo ela pretende focalizar e desvelar como a(s) gramática(s) do português como língua mundial desenvolver-se-ão, uma evolução que será fortemente caraterizada por uma expansão imensa de falantes, sobretudo nas variedades africanas (Reto et al. 2018: 54-57).

Call for Papers:

É sabido há muito tempo que a sincronia permite inferir processos de mudança atuais ou futuros. Processos de variação são, por um lado, o resultado de antigos processos de mudança – por exemplo na gramaticalização de a gente como alternativa de nós (Lopes 2015: 202-204). Ao mesmo tempo é de se esperar que a generalização de a gente avance no português brasileiro, com base no fato que processos de difusão na maioria das vezes adotam a forma de uma curva em forma de s (Weinreich et al. 1968; Kroch 1989). Evidências empíricas para essa suposição já foram encontradas em trabalhos como Lopes (1998).

Métodos sociolinguísticos como o acima exemplificado estudo em tempo aparente podem ser aplicados tanto a dados de corpora como a experimentos psicolinguísticos. Porém, eles só representam uma possibilidade entre várias de gerar evidências dentro do marco de uma linguística histórica preditiva. Análises detalhadas das interações entre diferentes níveis do sistema linguístico e dos contextos de uso das construções linguísticas na sincronia, junto com o apoio de teorias sobre a mudança linguística permitem tirar conclusões sobre processos de mudança atuais ou futuros. Em Wall (2017, 2019, 2020) foram delineadas as condições gerais fonológicas e perceptivas para a hipótese de Kabatek (2002) de um suposto “desvio” na gramaticalização do sistema de artigos brasileiro que parece estar indo na contramão do ciclo de gramaticalização observado em todas as outras línguas românicas. Neste caso, a combinação de diferentes tipos de dados mostrou-se como ferramenta decisiva para a argumentação. Com vista aos contextos de uso, Andrade (2019), por exemplo, analisa a oposição entre orações clivadas canônicas e reduzidas e mostra que os dois tipos de estruturas clivadas aparecem em contexto de usos similares. Isto permite assumir, por um lado, que as construções reduzidas se desenvolveram a partir das canônicas, e por outro que as reduzidas poderiam substituir as canônicas ao longo do tempo. Finalmente, também podem ser identificados fenômenos de bloqueio que podem explicar por que uma mudança determinada precisamente não está acontecendo (ver, por exemplo, Ansaldo & Lim 2004).

Uma terceira abordagem metodológica, muito apta precisamente para o português, é a análise comparativa do uso de uma construção ou de uma oposição em variedades de uma língua ou em várias línguas. Uma comparação deste tipo permite investigar a gama de possíveis soluções estruturais para diferentes constelações pragmáticas e interacionais e a sua lógica na diacronia. As contribuições em Álvarez et al. (2018) são um bom exemplo para o potencial desta abordagem. Nelas, se analisam tendências similares em variedades brasileiras e africanas e se constata, entre outras coisas, até que ponto fenômenos já mais avançados no português brasileiro também surgem nas variedades africanas baixo condições similares. Para dar outro exemplo, Rosemeyer (em prensa) analisa o uso de construções interrogativas no português europeu e brasileiro e no espanhol europeu e porto-riquenho. Ele mostra com dados porto-riquenhos que a difusão de construções interrogativas clivadas do tipo ¿Cómo era que se llamaba aquel actor? como marcadores interrogativos canônicos pode ser explicada, com uma certa probabilidade, como emancipação gradual do uso dessa construção a partir dos contextos de uso originais. A comparação com as variedades portuguesas permite a suposição que as construções interrogativas no espanhol caribenho poderiam evoluir numa direção parecida.

Estão bem-vindas propostas de comunicações que trabalham a variação em todos os domínios da gramática do português e que tentam, no espírito da seção e com uma base de dados sólida, extrapolar futuros fenômenos de mudança. As contribuições podem conter perspectivas sociolinguísticas, sistêmicas ou comparativas sobre os fenômenos de variação. Especialmente bem-vindas estão propostas sobre variedades até agora pouco exploradas na literatura linguística (sobretudo das variedades africanas).

As propostas devem ser enviadas a malte.rosemeyergmail.com até o dia 6 de abril de 2021. Os autores das contribuições aceitadas receberão a notificação até o dia 20 de abril de 2021.




Page Updated: 19-Feb-2021